quarta-feira, 8 de julho de 2015

Alguns autores me remetem a certos cenários particulares. Ler Machado de Assis, por exemplo, me leva a uma conversa com ele como entre comadres: E aí Machado? Capitu traiu ou não traiu? Confesso que gosto mais dos contos. Adorooo! E Machado foi alguém que li muito por obrigação na adolescência e que descobri de forma prazeirosa um pouco mais tarde. Existe Machado em áudio e até no carro ele me acompanha. Experimentem, é maravilhoso.
Rubem Alves, me apaixonei de verdade depois que fui a uma palestra dele. Hoje nós somos íntimos dentro do meu cenário particular rs. Ler as crônicas dele me remete um bate papo de fim de tarde, e nem sempre concordo com tudo que ele aborda, mas acho divino sua maneira poética e simplista de abordar os assuntos. Este livro tem trechos maravilhosos, mas por ser uma reunião das " melhores crônicas", tem muitos textos batidos de internet. E estes textos que rolam muito na internet, por mais que sejam lindos, cansam igual música de novela. Escolhi um trecho que ainda não está rolando por aí, da crônica "Se é bom ou se é mau..."
" A estória da Branca de Neve não aconteceu nunca, mas todos nós somos, sempre, uma Madrasta que se vê triste diante do espelho, e manda a menina, nós também, para ser morta na floresta. A estória de João e Maria não aconteceu nunca, mas em toda criança existe uma fantasia terrível de abandono. A estória de Romeu e Julieta não aconteceu nunca, mas queremos ouvi-la de novo, pois dentro de nós existe o sonho do amor puro, belo e imortal. E é por isso que sou incuravelmente religioso, porque nas estórias da religião, que não acontecem nunca, os sonhos e pesadelos da alma se acham refletidos. Acredito porque sei que são mentira. Se fossem verdade, não me interessariam. "

sábado, 6 de junho de 2015



Hoje assisti esse filme para fazer uma resenha para um trabalho. A proposta do menino lindo é fantástica, talvez a solução para uma melhoria da humanidade. Faça o bem a alguém e esse alguém, em retribuição, faz um bem a outras três pessoas. E assim disseminaremos o bem. No decorrer do filme ele vai se frustrando porque seus planos de fazer o bem vão tomando outros rumos, sem saber, que de alguma forma está dando certo. Alguma sementinha, aqui ou ali ele cultivou. É uma proposta tão divinamente linda, e muitas vezes tão terrivelmente frustrante. O importante é não desistir dessa louca humanidade e continuar sempre acreditando que há uma luz em cada ser. Não desista! Como diz o Trevor ( personagem principal) quando desistimos todos perdem.

quinta-feira, 21 de maio de 2015

ACUPUNTURA E FLORAIS DE BACH



O britânico Jeremy Ross, um dos pioneiros da Medicina Chinesa na Europa e Estados Unidos, escreve sobre Os Dez Tipos de Personalidades no livro Combinações dos Pontos de Acupuntura (Roca, 2003), onde os classifica na teoria dos Cinco Elementos, baseado em sua larga experiência clínica.
 Cada elemento - Fogo, Terra, Metal, Água e Madeira - tem relação com um órgão e com emoções e características pessoais. O elemento Fogo com o Coração, euforia e entusiasmo excessivo. A Terra está conectada ao Baço e com preocupação excessiva. Metal está ligado ao Pulmão e aos sentimentos de pesar, tristeza e mágoa. A Água é o elemento dos Rins, ligado aos medos. A Madeira tem relação com o Fígado, raiva e agressividade.
Ross descreve os tipos Yin e Yang de cada elemento e propõe combinações de pontos específicos para “equilibrar os padrões negativos e desenvolver suas habilidades”. Em cada Tipo descrito, encontra-se correlação com as Essências Florais de Bach, sistema desenvolvido pelo médico inglês Dr. Edward Bach, em meados dos anos 1930. Veja a seguir os Cinco Tipos YANG, na descrição de Ross e a essência Floral de Bach correspondente!
Tipo FOGO Yang – “grande habilidade de inspirar e encorajar pessoas, mas precisam aprender quando parar. É fogo que queima intensamente, sem adequado controle. Tende à atividade incessante e ao entusiasmo excessivo, com verborreia”, diz Ross. O Floral Vervain: “laborioso e sempre em atividade. Entusiastas, defendem com veemência seus ideais; podem se tornar dogmáticos, exercendo muita pressão nos demais. Incapazes de relaxar, vivem em estado de grande tensão”.
Tipo TERRA Yang – para Ross, “esse tipo pode usar a solicitude para prender os outros, controlar e restringir suas vidas; apegado, possessivo e intrometido na vida alheia”. O floral Chicory é para: “pessoas amáveis e gentis, tendência a superproteção, tornando-se controladoras excessivas, sufocando as pessoas. Apegados, egoístas e possessivos; tendem a cobrar e exigir em troca”.
Tipo METAL Yang – para Ross “são tipos que não querem se livrar de suas mágoas, gostam de espalhar sua miséria. Agarram-se às amarguras, ressentimentos e lamentações”. O floral Willow: “pessoas amarguradas e ressentidas, acham difícil consideram o lado bom, perdoar e esquecer. Se sentem injustiçadas e vivem se lamentando”.
Tipo ÁGUA Yang – diz Ross: “ambicioso e cruel, sem consideração pelos outros; autoritário, procura segurança através de poder e dominação”. O Floral Vine: “dominadores, ambiciosos e determinados, opiniões firmes, pessoas duras e austeras. Podem chegar a ser tirânicos”.
Tipo MADEIRA Yang – “impaciente e irritado, intolerantes com os inseguros e lentos, sem consideração com as necessidades alheias. Tendem a ser agressivas, raivosas e até violentas”. Se poderia pensar nos Florais Impatiens e/ou Holly: o primeiro “para os inquietos, irritadiços e nervosos; impacientes e até rudes com pessoas lentas”.  O segundo “para os sentimentos de raiva, ódio, mais explosivos e revoltados”.
“A maioria das doenças da sociedade moderna resulta da falta de contato com as energias do espírito. Para superar os padrões negativos como a raiva, a intolerância ou o medo do fracasso não se deve lutar contra eles; e sim, colocar maior energia nos padrões positivos que os devem substituir”, afirma Ross. “O que conhecemos como doença são os resultados prejudiciais de “defeitos” tais como orgulho, crueldade, medo, ódio, ignorância ou ambição, que se precipitam no corpo. A cura da doença não se dá lutando contra o errado, mas permitindo que a virtude oposta inunde nosso ser e ilumine a falha de nossa natureza”, diz Bach.


Kátia Carvalho Abreu, médica, terapeuta floral com Registro no Bach Centre, Inglaterra BZP 1117-D, instrutora do Instituto Bach do Brasil, desde 1998 e acupunturista. Centro Terapêutico  Por Dentro do Ser.

domingo, 17 de maio de 2015



O livro desta semana é O EDUCADOR E O PSICANALISTA. Fiquei encantada quando li a primeira vez, falei para o Cláudio: " Preciso escrever sobre seu livro, amei." E assim fluiu a segunda leitura e estou escrevendo quase um ano depois... Primeiro o livro me agradou na estética, achei simples e lindo, a letra cursiva da primeira página, a caneta tinteiro...Depois o tipo de escrita, trocas de cartas sobre a vida. Tenho alguns livros de cartas, sempre me atraem, tem um que é péssimo, mas está na minha sala como objeto de decoração porque é esteticamente lindo. Este, do Cláudio, me tocou pela profundidade de assuntos cotidianos e me remeteu a sessões de psicanálise escrita. Eu gosto quando os livros me tiram de onde estou fisicamente e me transportam para o seu cenário. Na faculdade eu tinha um amigo assim, como o Doutor, trocávamos cartas profundas sobre nossa vida cotidiana, mesmo nos vendo todos os dias. Terminando a faculdade a vida e a rotina nos separaram... Nunca mais encontrei alguém com quem trocar cartas profundas, destas que mexem na alma. Alexandre Sanches, preciso te reencontrar e te dar este livro de presente. Escolhi um trecho que mais me comoveu, do final do livro, onde junto com o personagem me senti órfã do doutor: " Passei anos da minha vida perseguindo não sei o quê. Fui levado em alguns momentos por empolgação, outros por apatia, mas nunca conheci o desespero. Conheci lugares e pessoas com as quais vivenciei histórias. Umas intensas, outras nem tanto. Alguns poucos arrependimentos, mas nesse momento não consigo lembrar nenhum remorso. Não carrego comigo nenhuma mágoa, apenas a certeza de ter escrito a minha história oferecendo a minha falta. O nome inventado pelos homens para doação daquilo que não temos é: amor. Se tive dinheiro, foi para gastá-lo. Os objetos que acumulei serviram para o meu conforto e fruição. Não fui servo dos objetos. Por isso não penso em testamento, mas em testemunho, minha verdadeira herança."
Claudio, agradeço porque fui encontrando pedacinhos de mim pelos seus capítulos.Bj


quinta-feira, 14 de maio de 2015

Esta semana uma Coach me perguntou: Qual característica da sua vida pessoal você leva para a profissional? Eu respondi: o meu encantamento pelo ser humano. E eu preciso disso para desempenhar o meu trabalho, sou apaixonada pelo meus pacientes e Coachees. Me encanto pelas suas histórias e cada ser que me traz elas. Existem pessoas que não me encantei? Existem, e espontaneamente elas foram embora. Ainda assim, acho que deveria ter lançado um segundo olhar... Todo mundo merece um encantamento, e todos, com certeza, devem ter um um ponto de luz em seu ser. Nas palestras, vejo o encantamento em cada rosto atento. E quando as pessoas vêm falar comigo depois, ganham um abraço e um olhar encantado. É disso que o mundo precisa, de amor, atenção, paixão pela singularidade de cada um. Na vida pessoal com certeza tiveram alguns que testaram essa minha capacidade de se encantar, que fizeram questão de não serem tão encantadores. Para estes a Meditação do Perdão( Diário de bordo do Coaching) e assim seguimos em frente. São poucos... e se não conseguiram ser tão encantadores comigo, serão com alguém ali na frente. Lance seu olhar de encantamento, as pessoas precisam sentir-se únicas e encantadoras.



segunda-feira, 11 de maio de 2015

COACHING


Você sabe o que é coaching? É uma técnica que te aproxima de seus objetivos de forma real. Desperta para grandes e significativas conquistas. É vida e movimento. Eu sou uma Coach, alguém que motiva e age como suporte no planejamento da jornada que leva ao seu objetivo. Lembrando sempre que o processo é seu e as respostas estão com você. Qual o seu objetivo? Estudos? Saúde? Aumento de produtividade? Amoroso? Administrar melhor seu tempo? Com comprometimento, motivação e ação tudo é possível. Coaching, transforme e aconteça.
Maiores informações: Vivo- 9837-1182/ TIM- 8378-5887 Por dentro do ser.
Consultas presenciais e online


segunda-feira, 4 de maio de 2015





Meu comentário de leitura desta semana vai para dois livros de Renato Dias Martino, que lança mais um na próxima sexta-feira dia 08, Livro do desapego. Primeiros passos rumo à psicanálise é minha paixão, para quem quer entender a psicanálise de maneira bem didática, fica a dica. Folheie para ver minhas marcações um trechinho que poderia deixar aqui pra vocês, mas tem capítulos que marco o título por ser todo interessante. Talvez, talvez eu tenha gostado mais quando ele fala de Id, ego e super ego. Estou analisando... Aos amigos que têm uma quedinha pela psicanálise podem começar por este livro. E aqueles que estão com saudade da época de formação é uma viagem por lá. Em " Para além da clínica" consegui tirar um trechinho para vocês:
" Algo que é criado para satisfazer o outro ou, melhor dizendo, um eu criado para satisfazer a necessidade de sermos desejados pelo outro. Na predominância desse recurso, porém, abandonamos nosso eu real no quarto dos fundos do nosso interior, muitas vezes, sem dar-nos conta disso..."
Recomendo o blog pensar-seasi-mesmo.blogspot.com